quinta-feira, 21 de março de 2013

Magias em combate

"Eu uso uma Bola de Fogo"
"Eu dou uma espadada"
"A bola de fogo acerta o alvo e a espadada também, já que você tava conjurando a magia ao invés de se defende. Parte do dano de fogo atinge os dois, que estavam na área de efeito da magia. Você, mago, morreu. Você guerreiro, tomou 34 de dano, mas ainda ta vivo."

Ao contrário do que nos ensinaram os desenhos e filmes, o mundo não para pra você soltar uma magia (ou morfar). Se você escolhe conjurar a se defender de um golpe, você recebe o golpe. Usar magias no meio de um combate corpo a corpo é algo bastante perigoso. Muitos RPGs limitam o poder dos magos de alguma forma pra que não sejam personagens super poderosos demais. Em D&D há diferenças na vida e na utilização de armaduras e proteção. Em Mago: A Ascensão, o pouco tempo de reação torna difícil utilizar magias coincidentes e acaba gerando efeitos vulgares que causam paradoxo. Em Changeling: O Sonhar, os personagens tem que contar uma Peta pra reduzir o nível de dificuldade das magias, quanto mais tempo se gasta nisso, menor a dificuldade. É muito fácil errar uma magia no frenesi do combate sem tempo pra contar Petas.



Contra um personagem que luta corpo a corpo, a magia pode ser uma adversária imbatível. Se o conjurador conseguir se manter a uma certa distância, ele pode derrotar um grande número de inimigos sem se machucar. Em Mago, já vi um personagem derrubar uma gangue de motoqueiros, cerca de 15 inimigos, com uma única magia coincidente. Ele atraiu os inimigos até um prédio antigo, que estava condenado e poderia cair a qualquer momento. Um empurrãozinho de Matéria e Entropia, tudo veio a baixo. Mas se ele tivesse sido apanhado no meio do caminho, se a sua distância de segurança tivesse sido quebrada, a história seria outra.

O que quero dizer com esse post é o seguinte: A não ser que você seja um grupo muito bem preparado com estratégias planejadas de ataque, nunca confie 100% em magias para vencer uma batalha. Se você for pego desprevenido, uma magia errada pode ser fatal... pra você! Os jogadores têm a impressão de que são super poderosos quando começam a soltar magia e alterar a realidade ao seu bel prazer. Mas todos os RPGs que já joguei impunha limitações físicas para os personagens magos. Há essa cisão: ou você combate bem ou conjura bem, nunca os dois ao mesmo tempo, principalmente para personagens com pouca experiência.(há algumas excessões, mas geralmente são personagens muito experientes e únicos).

O mago do grupo (quase) sempre levará desvantagem em combates físicos. Pra essas horas você precisa de um plano B. De uma forma ou de outra, envolve alguma preparação. Um grupo bem preparado não será pego desprevinido. Se, de repente, você acorda com uma faca no pescoço, aí meu amigo, é hora de improvisar e soltar sua criatividade. Pode ser que a melhor opção seja não fazer nada, por enquanto. Mas se você tem aquela magia de ilusão, pra transformar a arma do inimigo numa cobra, é uma boa hora pra usar e sair correndo como louco. É meu caro conjurador, você não pode se dar ao luxo de esperar que vai se salvar de uma ameaça física duas vezes no mesmo dia, corra a distância é sua melhor amiga.

É aí que as magias em combate começam a ficar realmente perigosas. A uma certa distância, o conjurador é capaz de manipular a realidade sem ser incomodado e se torna uma das mais poderosas armas num combate. Em ambientações mais modernas, em que magos se enfrentam em duelos de magia ( como em Harry Potter), essas ideias ainda se sustentam, a um palmo você pode bater fisicamente no seu oponente e incomodá-lo pra que ele não consiga usar magias. Ele ainda é vulnerável fisicamente.

"Na encruzilhada, ao por do sol"

É claro que, com tempo de preparação, o conjurador pode levar vantagem em qualquer combate. Dependendo de suas habilidades, o mago pode chegar num encontro marcado com mil poderes ativados e dar cabo do seu inimigo em segundos. Só que isso não é regra, ninguém vai te esperar conjurar todas as suas proteções antes de te atacar. Mestres devem atentar para ações que acontecem simultaneamente e jogadores conjuradores prestem sempre atenção nos inimigos próximos.


Um comentário:

  1. Legal o post, por isso é bom dar aquele "ataque de oportunidade" para o conjurador não achar que é o Chuck norris ahha

    ResponderExcluir